quarta-feira, 8 de maio de 2013

FILHEI, PLANTARVORIZEI E LIVRESCREVI (VIVAS!): E VIVAMOS A VIDA VIVA, VIVOS!




o sentir mundano dum humano o seu mundo

neste estado
neste exato espaço andante
caminho meio caminho (à vida estando)
com perdas pedras ou máquinas do mundo
pegado nas mãos de Carlos & Luíses & Dantes
bem lento o passo... possa-o tal eu-poeta
ocupar de sentidos mil estes campos
e pelos cantos iniciar outros meios
meios sem fim (não definitivos)
mas enfim meios definidos
registros em terreno escrito
o onde de estar ser humano
em cenas vidas poemas aqui
perambulando ambientes
infernos gentis paraísos
a linhar alimento devido
à fome do antílirico
desses mundos
pelas vidas
em curso
rumos


(LUIZ FILHO DE OLIVEIRA. Onde Humano, 2009-2013.)


4 comentários:

Ana Lucia Franco disse...

Ei môço, que poema, heim, um verdadeiro "hieróglifo". O título é ótimo..


beijos.

JAIRCLOPES disse...

Limerique

Caminhos trilhastes como fez Dantes
Espancas, Drummonds, Leminskis, antes
Filhastes então como homem
Pra que teus genes não somem
Plantastes moinhos como Cervantes.

Janice Adja disse...

Palmas!!

Luiz Filho de Oliveira disse...

Obrigado, Ana e Janice.

Ê, Jair, limeriquianamente sempre certeiro.