terça-feira, 28 de janeiro de 2014

UNS AIS DO SOCIAL




I
um Piaga do mar doce arma seta dispara por um Poeta

esta tribo(dos sete terreiros do rio)
(num espaço do presente) é estado de riso
para alguns indivíduos da nação (ô povo pobre!)

entanto ela ainda continua rindo (risos)
anda primo humano brasílico (milenar nativo)
como gravado nas pedras (de linhagem... esses livros)

e por tal vida (vinda grande nação Tabajara!)
deixa-se vestígios nas telas desta terra (vivo grafito)
para firmar o seu local universal (esse mundo de sítios)



(Bem daqui, de Piaguí... e daí?)



II
onde é duro ver ou vir a 

o terreiro do casebre
dá a luz do dia
a crianças nuas
brincando de ambulantes
vendedores de fruta ou verdura
não de bugigangas de Taiwan ou China:
olha o tomate! olha a cebola! olha a uva!

à noite suja em redes limpas do digno
dormem o sono das injustiças tranquilas
depois crescidas na lida de cada dia
a manhã les-desenha como hino
outro novo pregão antigo
de infante miséria na vila



(Numa Terra carente de Justiça.)



III
pelos tetos ou sem-teto que não têm milho nem feijão sem arroz: essas cruas vias

ao nativo que
teve seu milho
passado adiante
bem comerciante
em lata conservado
soro caseiro investimento
em supermarcantes mercados
– a esse nosso primo pai nativo – 
este grito líquido sem o lucro devido:

se rumina pois o poeta o tachar bom
o milho & lambe depois os beiços rindo
comido todo o amido como cliente do produto
ele sente porém um desgosto dos milhões (males!)
a morrer de fome em face de humanidade sem migalhas
em frente do milharal de rango (aos milhares!)
a haver no mundo-comida dos melhores

e este poema (comido!) não
enche a barriga de seo ninga!



(Onde as mãos não aram; palavram.)



IV
nascente em curso de morte desmatada*

aguazul
            plic!
               ploc!
                bate
                     ndo
                     es
                    cor
                       regando
                      planta e
                    dança  e
                   pedra
                os peixes
                sr. caramujo e
                outras espécies e vem
                  um barco-folha ambiente
                   em meio ao transparente
                    líquido num veio dessa
                   mata virgem –  e vivem...
             ... todavia o enlatado
                   cano esgoto surje e
                 engarrafada a morte
desmata e                                 vaza
              às taças das calhas
           em que o peixe-barco
         – nau trágica –
     navega outro inferno: e a água
foi suja de humanos seres urbanos


(Em Teresina, fluindo até São Paulo; antes, passando por Minas.)

_________________________________
* A Ana Rosa, uma mestra minha, com quem estudei em espaço de Dias.



V
salve concreto essa selva humana


são Paulos
      Joões
ou  Zés
             e                     vão
                          e        quase não
vêm...
veem?
navegam noutros navios negreiros... não?
se ainda a caminho do que
não estaca a obra concreta armada
de novo esses homens-chico (não chiques)
sob o sol nada novo da ficção dos edifícios
ajudam com outro engenho a construir
esta ação capital expressa em luxo de signos
para o avesso do lucro de extensas listas
rol da primeira avenida
a dirigir a vida indigente
a digeri-la a preço de custo
sem tempo pro sono dos injustiços



(Duma concreta São Paulo até verde Teresina.)



VI
onde humano contribui para uma escrita poesia terrena

no bairro Primavera... algum cidadão ágrafo
já em Bagdá... atiradores por elite contra os livros
contudo na Georgia ianque...  muitas mortes negras ontem

na Inglaterra sherlockiana... vítimas estrangeiras por engano
pois nas Áfricas famintas... crianças raptadas para pegar das armas
mastambém no Ocidente doente... desenganados contra o sistema

no fim do mundo... o nosso humano estar
posto na Lua... o olho rico da tecnologia
enquanto na Terra... tantos ainda de fome




(Neste planeta, a olhar pras nossas terras.)




(LUIZ FILHO DE OLIVEIRA. Onde Humano. Teresina: Nova Aliança, 2009.)




2 comentários:

Celia Lima disse...

Tenho o enorme prazer em convidar a todos vocês blogueiros para a votação do top Blogueiro na Ilha da Lindalva e sua presença dará um brilho especial a essa interação blogueira, cujo o verdadeiro sentido é não deixar fenecer a blogosfera. Conheçam todos os blogs participantes antes de votarem.
O meu blog tbm esta participando entre outros. Mas convido a todos a entrar e interagir com todos os blogs, e votarem no que mais lhes agradarem...e não na amizade.Fique a vontade.

http://anos-da-ilha.blogspot.com.br/

Luiz Filho de Oliveira disse...

Valeu pelo convite, Célia. Farei a visita.