sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

ISTO NÃO É LUTO; SÓ POESIO NEGRO


Imagem: www.guardinalv.com


Sem essa de correta política nestas leituras em negrito

Foi um negro de sorte,
ganhou uma nota pretacarvão!
Agora, verde a sexta-feira treze!
Então, deixou outro bilhete no quadro negro
da escola em que trabalhava, professoral:
“Estou podre de rico, mudei de sala.
Adeus, amigos, vou trabalhar noutra praia”.
E naquela noite negra, estreluarada, viva,
saiu levando brilhos somente dentro de si
legando ao Poeta seu primeiro Poema Negro.



(LUIZ FILHO DE OLIVEIRA. Das Bocadas Infernéticas. WEB: Deleitura, 2012.)

3 comentários:

JAIRCLOPES disse...

Limerique

Era uma África frenética, louca
Que a homens negros se fazia mouca
Mas surgiu um redentor
Que a mudou com seu amor
Toda homenagem a Mandela é pouca.

JAIRCLOPES disse...

Limerique

Negro macho nunca deixou a liça
Mais que padre dominava a missa
Mandela não esmoreceu
Dedicou tudo aos seus
Lutou como ninguém pela justiça.

Júllio Machado disse...

Esse era, de fato, o cara, grande persona.

Bela homenagem.

Amplexos!