sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

FIM DA SEMANA: ESCREVO PELA NONAGÉSIMA VEZ

Cartaz: por Di Cavalcante



fruturo*

danem-se as ervas daninhas 
pra frente par somente se
vinhas amar bem semente


(Luiz Filho de Oliveira. BardoAmar. Teresina: Ed. do Autor, 2003.)




onde o poeta substitui um poema: o da arvorezinha que fazia pose por ibope no meio do seu caminho pela poesia

- ah...
meu velho Braga:
também perdi a agenda!

que tristeza...
meu camarada!
nela havia um poema...

a quem cantava?
a Bopp: aquele cabra Norato! cobra!
a ver a arvorezinha ser música o céu querendo

(Na sombra de um pé de crioli, no interior de Alto Longá.) 


(Luiz Filho de Oliveira. Onde Humano. Teresina: Nova Aliança, 2009.)




______________
* Neologismo criado por Oswald de Andrade.


16 comentários:

Penélope Sierra disse...

Vengo a quedarme un rato en tu mundo...

Hermoso placer!!

osmar disse...

Boa noite Luis vim conhecer seu trabalho. Muito boa suas escritas e bem elaboradas. Gostei!
convido voce a conhecer meu blog e fazer parte do meu grupo de amigos sua presença é importante.

forte abraços e bom fim de semana!

Luiz Filho de Oliveira disse...

Penélope, sua presença, aqui, é sempre uma alegria.

Osmar, agradeço pelo convite. Irei visitá-lo assim que puder.

Lucas Holanda disse...

vieste escrever bem semente tbm, cidadão!
Muito legal! :)

Alê disse...

Danem-se todassssssssssssss as ervas daninhas,

Todas! Todinhas!


Um beijoooooooooo!

VILMA PIVA disse...

Olá Luiz, pragas precisam ser exterminadas para que as sementes brotem. Abaixo as ervas daninhas!Bjs.

ღα૨gѳђ ખ૯૨ท૯૮ઝܟ disse...

tb adoro dar "bastas"

[contem 1 beijo]

Luiz Filho de Oliveira disse...

Arando impopular, verso, Lucas.

Alê, Vilma, Margoh, abraços, poetas.

Aline Santos disse...

(...) Amar bem semente (...) onde o poeta substitui um poema... no meio do seu caminho pela poesia... ver a arvorezinha ser música.

Perdo-me a ousadia, caro amigo Luiz. (Rs...) Fiz um poema agrupando trechos de teus escritos.

Você é simplesmente brilhante. A criatividade com que usas as palavras, sejam versivicadas, ou não. É de excelente nexo e harmonia.
Fico muito feliz por te ter como amigo, embora, que só virtualmente, mas não é por isso que é de menas importância.
Abração! ;)

Luiz Filho de Oliveira disse...

À vontade, Aline. Espero q essa deglutição, bem ao gosto dos da Antropofagia, não lhe dê indigestão. Até mais páginas, amiganet (rsss...).

Jefferson Bessa disse...

Luiz, parabéns pelo diálogo que constrói com poetas brasileiros. Cobra Norato de Raul Bopp é belo. Abraço.
Jefferson.

Sahara Higino disse...

Passei,
inquietei-me por
gostar de ficar.

Agora, sigo-te;
Um abraço!

Luiz Filho de Oliveira disse...

Jeffersom, a gente não pode parar com essa conversa. Saudações.

Sahara, fique, q esse minissítio é o máximo.

jhosihel disse...

Ei camarada, saudades daquele nosso tempo rpz. Ainda não tinha localizado o blog, ficou belíssimo. Aquele FRUTURO eh qualquer coisa de extraordinário. Meu imão sou seu seguidor a partir de agora. um abraço.

josiel

ps.: depois te falo minha impressão sobre os livros.

Luiz Filho de Oliveira disse...

Josiel, tentei reconhecê-lo pela foto mas não consegui. Agora, sim, estou sabendo quem é: o homem dos sonetos bilaquianos, o poeta da cidade de Gonçalves Dias e Adaílton Medeiros. Saudações, meu amigo, e seja bem-vindo.

Cristiano Marcell disse...

Prezado(a)amigo(a), bom dia!

Visite o http://poetasdemarte.blogspot.com e leia a entrevista com Jair Lopes, do blog Hai Kai Dentro.

Obrigado desde já!

Muita paz!